Novidades no Google Glass: estúdio repensa design, Glass ajuda paraplégica

Estúdio Sourcebits cria novo conceito para o Google Glass

Ainda em fase de testes, o Google Glass já começa a ter diversos aplicativos sendo desenvolvidos para ele. De apps que propiciam experiências de compra mais certeiras até aplicativos que prometem ajudar pacientes com Alzheimer, os óculos de realidade aumentada da Google estão sacudindo o mundo da tecnologia.

Sem data de lançamento divulgada e com apenas 8.000 unidades liberadas para desenvolvedores inscritos no projeto Explorer, o Glass já recebeu um design totalmente novo pelas mãos do estúdio Sourcebits, que imaginou um Glass mais fashion e mais discreto. O modelo atual, liberado pela Google, é bem “marcante”, não se assemelhando muito a um óculos convencional. Uma das maiores críticas ao projeto é justamente o seu design chamativo demais, o que seria um entrave para que o gadget obtivesse uma grande adesão no seu lançamento.

O modelo da Sourcebits não possui o característico cubo de acrílico que fica na frente dos olhos. O prisma de projeção da tela fica em uma área discreta, dentro das próprias lentes dos óculos e a câmera fica em uma das hastes do modelo. O conjunto é completado com apoios de nariz iluminados e indicadores de bateria na haste interna. O novo modelo distribuiu o hardware por toda a extensão da armação, resolvendo uma queixa constante de que os óculos da Google não são bem balanceados, por conta da concentração de peças do lado direito. A ideia desses novos óculos também já leva em conta usuários de óculos com grau, que ainda sofrem com o uso do Glass atual, sem lentes.

Outra novidade que apareceu no mundo do Glass durante essa semana foi a história da norte-americana Tammie Van Sant, uma portadora de deficiência física que perdeu todos os movimentos do corpo abaixo do pescoço devido a um acidente de carro. Por quase 20 anos, a norte-americana de 52 anos procurou soluções tecnológicas que permitissem que ela levasse uma vida mais confortável. Tammie viu essa chance com o Google Glass e increveu-se no programa Explorer, recebendo o device em Maio. Antes do Glass, era impossível que ela recebesse e fizesse ligações, digitasse em um teclado ou tirasse fotografias. “O Google Glass me deu um novo mundo para explorar”, ela diz. “Por 18 anos, eu não consegui tirar fotografias quando eu queria. Eu não consigo nem expressar o quão incrível é poder escutar alguém do outro lado da linha e eles poderem me escutar. Quando eu recebo um SMS, eu posso lê-lo no pequeno prisma e então respondê-lo”.

A história de Tammie é apenas uma das diversas histórias de pessoas que tiveram suas vidas impactadas pelo Google Glass. Uma outra história de sucesso é da estudante de direito Alex Blaszczuk, 26 anos, que mostrou como sua vida melhorou em um depoimento em vídeo. Assista abaixo:

http://youtu.be/P8GVKqGruOQ