Inteligência Artificial: prós e contras

Nos últimos meses, temos visto uma profusão de artigos e notícias alertando para os perigos da Inteligência Artificial. Grandes nomes da indústria da tecnologia e ciência, como Elon Musk, Stephen Hawking e Bill Gates, vêm, repetidamente, alertando para os perigos do desenvolvimento da Inteligência Artificial. O debate ganhou força nessa semana com um pedido dessas três personalidades para o fim do desenvolvimento de armas autônomas. Contudo, a mídia trata o tema com uma ampla conotação negativa, impulsionada por recentes filmes de Hollywood, tais como Ex-machina, Terminator e Transcendence. O debate mais racional está restrito aos cadernos de tecnologia e periódicos científicos, motivo pelo qual a Onoffre fez uma seleção de prós e contras ao desenvolvimento de máquinas inteligentes.

No entanto, antes de nos aprofundarmos nos méritos e questões de cada um dos lados, é preciso definir o conceito de “Inteligência”. Ela pode ser melhor descrita como a capacidade de um indivíduo em adaptar seu comportamento a novas circunstâncias. A inteligência humana, portanto, é um combinado de diversas habilidades, tais como a capacidade de aprendizado, percepção de linguagens, resolução de problemas. É um emaranhado complexo de ações, reações e comportamentos que não sã facilmente reproduzíveis em objetos inorgânicos.

O objetivo geral da Inteligência Artificial é criar sistemas que possuem esse tipo de inteligência geral: máquinas que são capazes de perceber, aprender e raciocinar como humanos, além de outros aspectos, tais como: consciência própria, habilidades sociais e julgamentos. Esse sistema integrado seria um dos ápices da Revolução Online & Offline. Não perceberíamos diferenças práticas entre máquinas, entidades completamente digitais, e o mundo natural, ao nosso redor. É uma simbiose complexa que já começa a se desenhar em menor escala através de outras tecnologias, como o smartphone, que também já começa a tornar opaca a divisão entre o que é digital e o que é “real”. Com essa definição, vamos à lista de prós e contras:

Prós

- Com as máquinas, já atingimos níveis impressionantes de precisão e acerto. Combinado com a inteligência, esses fatores poderão revolucionar indústrias com a tomada de decisões certeiras e execuções perfeitas. Um campo que poderá se beneficiar muito disso é a medicina.

- A exploração espacial poderá avançar muito com a I.A.. Máquinas inteligentes poderão substituir humanos e sobreviver a duras condições ambientais, ainda sendo capazes de realizar um trabalho de pesquisa e desenvolvimento profundo. Aliado à consciência própria, as máquinas poderão se auto ajustar para melhor corresponder as características do ambiente e do trabalho que precisa realizar.

- Da mesma forma que poderão explorar o espaço, as máquinas poderão chegar a lugares na própria Terra que são muito limitados ao acesso humano, como as profundezas dos oceanos e leitos rochosos. Isso poderá abrir uma nova era na exploração e pesquisa de recursos, assim como no entendimento das dinâmicas que governam o Planeta.

- A Inteligência Artificial poderá acabar com a necessidade de empregar humanos em trabalhos laboriosos, difíceis, repetitivos e insalubres. Esse é um ponto que ainda causa muita polêmica, já que o desenvolvimento tecnológico, invariavelmente, corta empregos em todas as indústrias. Com o desenvolvimento de tecnologias autônomas, como carros, empregos manuais e tradicionais tendem a desaparecer. Artigos apontam que esse movimento já é real e que isso só será benéfico caso os humanos criem as estruturas sociais que permitam que todos se beneficiem em uma sociedade que não precisa do trabalho para sobreviver. Isso nos leva ao próximo ponto:

- Robôs poderão solucionar questões sociais e econômicas complexas. Através de análises e ponderações em cima de montanhas de dados, robôs poderão apresentar soluções para problemas complexos, como crises financeiras, distribuição de riqueza e conflitos étnicos. Robôs não teriam o lado emocional pesando nessas decisões.

Os pontos acima ilustram apenas as grandes questões que a I.A. poderá ajudar. Existe uma infinidade de pontos menores que poderão ser beneficiados com o desenvolvimento de máquinas inteligentes, tais como: dirigir, gerenciar o tempo, automatizar e ajudar em diversas tarefas, monitoramento de sistemas para evitar fraudes, etc. Mas, mesmo, assim, essa é uma área que divide cientistas. Vejamos agora os argumentos contra o desenvolvimento da Inteligência Artificial:

Contras

- As máquinas podem assumir o controle. Idealmente, os humanos continuariam como os mestres das máquinas, mas com o desenvolvimento exponencial da capacidade de raciocínio não-orgânica e a conexão em rede, em tempo real, das mesmas poderá significar que as máquinas, de fato, serão mais inteligentes do que nós. Nesse caso, elas poderão decidir os rumos da raça humana, privando os indivíduos de livre-arbítrio e independência.

- Nas mãos erradas, máquinas podem criar gigantescas destruições em massa, justamente pela falta do componente emocional que, às vezes, faz com que um ser humano pense duas vezes antes de agir. Máquinas podem ser hackeadas e programadas para fazer coisas erradas.

- Na mesma toada, o desenvolvimento de sistemas de guerra autônomos está gerando uma grande controvérsia. Descrita como a terceira grande revolução em tecnologia de guerra, após a pólvora e as armas nucleares, sistemas de defesa e ataques automatizados podem significar um campo de batalha mais seguro para humanos, mas iria rebaixar o patamar do que é necessário para um grupo entrar em guerra contra outro, levando a possíveis mortes mais elevadas no futuro.

- Com tantas máquinas e sistemas de ponta, os custos de manutenção e reparos ficarão progressivamente mais caros em comparação aos sistemas mais simples de hoje em dia.

Uma das grandes questões é se devemos ou não aplicar inteligência em máquinas porque as mesmas podem posar uma grande ameaça ao futuro da humanidade. Contudo, cientistas como a Dra. Joanna Bryson, especialista em Inteligência Artificial pela Universidade de Bath, acreditam que o que precisa ser regulado é a capacidade humana de auto-regulação. Segundo ela, a I.A. é apenas mais um produto do nosso intelecto que está sendo continuamente desenvolvido e expandido, tal como as armas nucleares, o aquecimento global e a extinção em massa de outras espécies.

A Onoffre acredita que a Inteligência Artificial é mais uma das forças motrizes da Online & Offline Revolution, um movimento que une os mundos analógico e digitais em apenas um só, mais fluido e dinâmico, repleto de novas interações sociais e com o mundo ao redor. Basta apenas termos certeza que o intelecto capaz de criar inteligência em máquinas consiga seja capaz de controlá-lo e aplicá-lo em benefício do ser humano e da humanidade como um todo.

E você, o que acha da Inteligência Artificial?