Disney e a sua aposta em tecnologias de ponta para encantar clientes

Descubra como a Disney utiliza tecnologias disruptivas para se reinventar e expandir a interação de suas atrações

A Walt Disney Company é um dos maiores grupos de entretenimento do mundo e, além dos estúdios de animação, a empresa mantém uma rede de parques temáticos. A marca vem provando que consegue se reinventar ano após ano e encantar diversas gerações sem perder a qualidade de seus serviços.

Os parques temáticos estão em constante reformulação. Novas tecnologias disruptivas vêm sendo utilizadas para aumentar a atratividade, ajudar no planejamento e gerar comodidade. Um exemplo é a Disney Magic Band, uma pulseira com tecnologia NFC embarcada e que é dada à cada um dos visitantes. Esse device reúne os ingressos para os parques, um atalho para passar na frente das filas, um guarda fotos, a chave do quarto do hotel e um cartão de crédito. Ou seja, com a pulseira é possível fazer quase tudo dentro dos parques, tornando a visita mais conveniente e fluida.

Para combater as filas, o aplicativo My Disney Experience permite que os usuários de smartphone naveguem nos parques, localizem os shows e as aparições de seus personagens favoritos, garantam o lugar para as atrações e façam reservas em restaurantes. Tudo para que as pessoas esperem menos para se divertir ou, pelo menos, não vejam o tempo passar.

Agora imagine um prédio de 5 andares recheado de máquinas e jogos interativos. O espaço Disney Quest oferece atrações que vão desde pilotar o tapete do Aladdin usando um óculos de realidade virtual até construir a própria montanha russa virtual em um computador localizado na fila. Depois, é possível brincar na atração que você mesmo “construiu”.

A Disney enxerga a si mesmo como uma produtora de conteúdo criativo e o distribui de diferentes formas, em inúmeras plataformas. A empresa enxergou na tecnologia uma forma excelente de criar uma estratégia de crescimento a longo prazo, a medida em que uma nova geração de consumidores, mais conectados, móveis e apressados, toma o lugar. Investir em tecnologias como o NFC, a Realidade Virtual e aplicativos para smartphone ajuda a cativar esses consumidores, além de criar novas oportunidades na distribuição do conteúdo criativo, que é o foco principal da empresa. 

Iniciativas como essa fazem com que a empresa consiga ter resultados positivos em meio a um modelo de negócios de mais de 60 anos. Somente no último trimestre de 2014, a receita da empresa subiu 9% e a frequência nos parques aumentou 7%, mesmo com a alta dos preços. Além de usar a tecnologia para criar sempre novas experiências em seus parques (que é a expectativa primária dos consumidores em relação à empresa), a Disney vem enxergando na criação de conteúdo mobile uma grande oportunidade para criar mais uma fonte de receita. A empresa já é a sexta maior produtora de jogos mobile no mundo. Seus usuários diários cresceram mais de 50% em um ano e o segmento já rende 18 milhões de dólares para a empresa, número que promete crescer bastante com a exploração de personagens e franquias adquiridas recentemente pela Disney, tais como Marvel e Star Wars.

Esses são apenas alguns exemplos do que a empresa tem procurado adotar a fim de acompanhar a era pós-digital. Ao se enxergar também como uma empresa de tecnologia, a Disney consegue não só se reinventar constantemente, mas reforçar sua tradição como uma excelente produtora de conteúdo criativo.